Château de Saumur

Château de Saumur
Quase a chegar a Villandry… Isto é tudo bonito que se farta… Tivemos muita sorte com o tempo, embora neste caso não pareça.
Este Castelo de Saumur esteve quase para ir colina abaixo, mas grandes obras de consolidação salvaram-no do desastre. Também está a ser restaurado. Na placa do fundo está a bandeirinha da Europa, sinal que o dinheiro anda no ar.

Château de Saumur

5 Responses to “Château de Saumur”

  1. Mário Ferreira

    E o “Castelo” de Évoramonte por dentro está completamente vazio e paga-se para entrar. Deve ser por usar as janelas para apreciar as vistas…
    E os exemplos de Castelo Mendo, de Penha Garcia e de Idanha a Velha? E o de Monsanto, a aldeia mais portuguesa de Portugal, cujo castelo nem devidamente assinalado está, lá dentro não há sinalética nenhuma, está tudo cheio de ervas? E a intervenção que fizeram no Castelo de Belmonte?
    Sorte, sorte tens tu que não perdeste a oportunidade de ver estas maravilhas que partilhas com todos; os que pretendem apreciar o nosso património dificilmente o conseguem, acabam por apreciar remendos e obras de restauro que não são dignas do nome de obras, quanto mais de restauro.

  2. José Rui Fernandes

    No Vale do Loire, há uma associação de proprietários de locais de interesse histórico e turístico, que permite um certo dinamismo de todo este circuito e que tem receitas próprias muito importantes, ao ponto de o estado ser praticamente dispensável. Foi fundada exactamente pelo Dr. Joachim Carvallo, que aquiriu o Chateâu de Villandry em 1906.
    Pelo que vi, é escusado pensar que cá temos algo sequer remotamente parecido com o Vale do Loire. Mas temos um país muito interessante do ponto de vista turístico, com paisagem, história e cultura muito própria — algo que turistas apreciam bastante. Que é feito da paisagem? Que é feito da história (dás uns exemplos, há muitos mais)? Que é feito da cultura?
    Os responsáveis, governantes e privados, estão convencidos que o turismo do cimento é que é o futuro. Eu estou convencido do oposto.
    O facto é que o dinheiro também por cá andou no ar e os resultados são os que se vê.

  3. Mário Ferreira

    De facto o dinheiro andou no ar mas deve ter aterrado no sítio errado…
    Quanto à cultura e história apenas dou um exemplo (entre muitos):
    Em Belmonte a funcionária do posto de turismo é a mesma que faz as visitas guiadas à igreja onde está sepultado Alvares Cabral. Resultado, se chegarem 2 camionetas de turistas ao mesmo tempo e uma quiser visitar a igreja e outra obter informações, alguém vai ter que esperar.
    E muitas vezes estes funcionários não primam pela simpatia e pouco fazem para motivar quem os visita a voltar de novo (será falta de formação, falta de brio ou não estão para se chatear?, não sei).

  4. Pitões das Júnias - um caso a analisar? at O Elogio da Sombra

    […] Devo salientar que ainda há poucos dias eu e o José Rui Fernandes do “Quinta do Sargaçal” tivemos no seu site uma troca de ideias, a propósito da sua recente viagem a França e o estado espectacular de conservação em que encontrou jardins e castelos. Vale a pena visitar o site e ver o que nunca foi feito em Portugal. Arquivado em O Mundo que nos rodeia […]

Deixe um comentário

Mantenha-se no tópico, seja simpático e escreva em português correcto. É permitido algum HTML básico. O seu e-mail não será publicado.

Subscreva este feed de comentários via RSS

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.