Exactamente o que precisavamos: Outro afídio

Pterochloroides persicaeO senhor Halstead, entomologista principal da RHS identificou esta praga como sendo um tipo de afídio que não ocorre na Grã-Bretanha mas é comum nos países mediterrânicos: Pterochloroides persicae. Aqui no quintal apareceram pela primeira vez há cerca de três anos em enorme quantidade. Têm uma camuflagem que quando todos juntos em grandes massas, parecem fazer parte dos ramos das árvores. Atacam pessegueiros, damasqueiros e ameixoeiras.
Tal como outros insectos sugadores de seiva, deixam as árvores sem vigor quando a infestação é grande e produzem uma substância peganhenta. Um óleo hortícola aplicado abundantemente pode ajudar a controlar a praga.

Pterochloroides persicaeEscusado será dizer que é a peste mais repugnante de todas as que aqui aparecem — e são muitas. A quantidade que aqui se vê numa ameixoeira não é nada. Infelizmente não encontro, ou não tenho, fotografias do pessegueiro. Só vos digo que não se via a parte inferior dos ramos.

8 Responses to “Exactamente o que precisavamos: Outro afídio”

  1. Luciano

    eu desses também tenho aqui.
    juntam-se mesmo em grandes quantidades.
    até agora tenho dado conta deles recorrendo à velha táctica do ‘esmagamento’ mas vou tentar o óleo de verão – sempre é menos nojento ;)

  2. maria costa

    Ainda bem que destes, acho que não tenho, só dos verdes que atacam as roseiras… mas vou estar atenta uma vez que tenho pessegueiros e ameixeiras.
    Boa sorte para a luta.

  3. VASCO SILVA

    TENHO UMA AMEIXOEIRA COM CINCO ANOS E SÓ ESTE ANO PUDE COLHER PRÀTICAMENTE AS PRIMEIRAS AMEIXAS. EM DEZEMBRO FIZ UMA CALDA BORDALESA PASTOSA E COM UMA TRINCHA COBRI O TRONCO E RAMOS ATÉ DOIS METROS. ANTES DA FLORAÇÃO APLIQUEI DOIS PRODUTOS CONTRA PIOLHOS. PENSO QUE FOI O PRIMEIRO RESULTADO POIS OS FRUTOS FORAM NORMAIS E SÃOS. A QUANTIDADE TAMBÉM FOI RASOAVEL.VOU REPETIR ESTE ANO, A MENOS QUE HAJA METODO BIOLÓGICO QUE SEJA ALTERNATIVA.

  4. José Rui Fernandes

    O método biológico, além da calda bordalesa (aqui no tronco utilizamos apenas cal) é o óleo hortícola que menciono.

    Um dos incentivos que tenho para produzir alguma coisa é poder consumir estritamente sem químicos. Para pulverizar, honestamente, acho que prefiro ir ao supermercado.

  5. João

    Eu resolvi pelo método biológico, passando em pequeno maçarico a gás pelo tronco de forma rápida para não prejudicar a arvore. For ver as perninhas dos bichos a encaracolar. No ano seguinte apareceram em pequena quantidade, mas como andava a vigiar apliquei o tratamento e nunca mais apareceram. já lá vão uns anos.
    Num vizinho meu também aconteceu o mesmo e resolveu-se da mesma maneira.
    João

  6. Carla

    Obrigado pelas dicas. Pois tenho um pessegueiro e não tenho conhecimento no assunto, está carregado desses bichos. Pergunto se soberem dizer, pode-se comer os pessegos na mesma sem se tratar da bicharada com essas dicas que dizem ou pesticidas?
    Obrigado.

Deixe um comentário

Mantenha-se no tópico, seja simpático e escreva em português correcto. É permitido algum HTML básico. O seu e-mail não será publicado.

Subscreva este feed de comentários via RSS

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.