Uma espécie de rosa-dos-ventos

Rosa-dos-ventos

Rosa-dos-ventos.

No centro do quintal tem uma rosa-dos-ventos, ou pelo menos uma espécie. Quase não se nota sem estar molhado (infelizmente), mas o pavimento é maioritariamente num tom amarelado. O caminho central é num tom acinzentado. Ia fazer este desenho nesses dois tons, mas o contraste é tão nulo que à última da hora decidi entre o acinzentado e o cinzento escuro que foi utilizado no pátio dos compostores. E acho que gosto.

"Fire pit"

“Fire pit”.

No “Fire pit” tem um padrão bastante mais fácil, mas ainda assim trabalhoso. Também me parece bastante bem. O meu plano é no fim das obras, deixar o pavimento “a brilhar” e depois disso permitir que envelheça naturalmente. Quero que fique com verdete e musgo, que passado o tempo, pareça que ali esteve desde sempre.

Rosa-dos-ventos

Voltando à rosa-dos-ventos, vou orientar o desenho com uma estaca rigorosamente aprumada ao Sol do meio-dia em ponto. A sombra dá a linha norte-sul exacta. Se não utilizasse as palavras “rigorosamente”, “em ponto” e “exacta”, e principalmente se não passasse das palavras aos actos, derrotaria o propósito à partida o que não seria correcto, pois Deus sabe como eu preciso de orientação.

6 Responses to “Uma espécie de rosa-dos-ventos”

  1. José Rui

    Eu espero marcar o norte verdadeiro, não o magnético. Mas já tinha pensado em utilizar uma estaca comprida com a bússola pousada para comparar os dois.

Deixe um comentário

Mantenha-se no tópico, seja simpático e escreva em português correcto. É permitido algum HTML básico. O seu e-mail não será publicado.

Subscreva este feed de comentários via RSS

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.