Produção intensiva e gripe aviária +

No Lugar do Olhar Feliz, um labirinto está em plena construção
Sempre quis planear um labirinto, aliás, já planeei um baseaso no da Catedral de Chartres, mas não sei onde o plantar. Ocupa espaço demais para um terreno em socalcos.

Culpam-se os pássaros migradores da gripe aviária, mas a produção intensiva é também um óptimo suspeito
No Guardian Unlimited.

Os malefícios da produção animal intensiva
Um documento do Worldwatch Institute, custa $7 USD. Reparem na figura, nas quantidades de alimento e água necessárias para produzir carne e no que diz sobre os antibióticos.

O A-Sul está a fazer uma série sobre o vandalismo a que chamam “graffiti”
Um dos maiores símbolos da impunidade e da degradação do tecido urbano das nossas cidades. É pena que no A-sul, não exista um verdadeiro debate sobre as questões colocadas, mercê da quantidade desmesurada de idiotas a quem é permitido comentar. Se fosse aqui, já tinham ido comentar para outro lado há muito tempo. Para isso é que existe a opção de moderar os comentários, ou mesmo de os fechar.

No Reino Unido, país chuvoso por excelência, fala-se de seca e já se pensa no Verão
Até se fala em banir as mangueiras. Também se teme pela vida selvagem. No burgo, tudo nas calmas, o português não é cá de temores. Na BBC.

Não é fácil ser verde, já dizia o sapo Cocas
E dizem as empresas americanas, mais preocupadas em dar lucros aos acionistas. Mas algo está a mudar. No Daily Telegraph.

A BP, até com o nome tem sorte, agora apresenta-se como “beyond petroleum”
O marketing não pára e o site das energias alternativas está muito bem realizado.

6 Responses to “Produção intensiva e gripe aviária +”

  1. pontoverde

    Obrigado pela referência, sobre os comentários, tenho-me batido perante esse dilema de os encerrar ou triar, optei por retirar só os ofensivos para terceiros, ou os muito ofensivos para a minha pessoa (que isto, quem não sente!!!) , no entanto tenho, é verdade , deixado visivel muito lixo, no pressuposto de que se desmascaram e caracterizam-se a si próprios.

    Mais uma vez obrigado, e mais uma vez também pela excelência do “sargaçal”

  2. jrf

    Sem dúvida que muitas vezes as conversas ficam animadas e até um pouco azedas, mas não é isso que se passa no A-Sul.
    A textos sérios (pelo menos vistos daqui) e passado tempo suficiente para ter a percepção do estilo do autor, o que popula os comentários são “flames” e “flame baits”, escritos por “trolls” que só andam na internet a incomodar o próximo.
    É óbvio, que muitos dos textos do A-Sul não são muito simpáticos para os comunistas, mas bastava um único comunista de qualidade para o desmascarar, contradizer ou de alguma forma provar que está errado, com factos e argumentos — se fosse o caso de estar errado, de má fé ou propagandear. Mas não. Nesse campo não se vê nada.
    Chegado a este ponto, eu diria que devia tomar o papel de editor do seu próprio blog e seleccionar criteriosamente aquilo que pode enriquecer o debate. O resto, lixo. A partir daí, o que possa acontecer, só pode ser positivo para o A-Sul: Ou as pessoas passam a participar de um modo construtivo, de apoio ou de crítica — não está em causa –, ou então que vão comentar para longe. Que abram os seus próprios blogs, no estilo distinto que os caracteriza.
    Mal seria, se os jornais, revistas, meios de comunicação em geral e também blogs, publicassem tudo o que qualquer analfabeto se digna enviar.
    Só me resta dizer-lhe que continue. Muitos dos problemas que foca são genéricos de todo país, não só das câmaras comunistas. De qualquer modo, o que se passa para os seus lados é digno de um documentário para televisão. É a qualidade de vida no seu pior.

  3. Lowlander

    “Culpam-se os pássaros migradores da gripe aviária, mas a produção intensiva é também um óptimo suspeito”

    E o chamado optimo suspeito do costume!
    Infelizmente continuo com uma grande falta de tempo caro JRF o que muito me contraria porque este link dava pano para mangas. Assim sendo nao enceto discussao por aqui mas peco ao JRF para voltar ao tema no futuro.
    Mais uma vez elogio o novo e acima de tudo excelente design do blog e elogio a introducao de caixa de comentarios nestes posts de divulgacao de links.

    Estou curioso por saber qual foi o vector de entrada do virus na exploracao de perus em Franca. Ouvi uns rumores de que o criador fez um vazio sanitario e de seguida foi buscar cama a zona onde tinha sido encontrado o pato positivo mas nao tive tempo de tirar duvidas a limpo. O que e certo e que alguma falha nas medidas de biosseguranca teve de ocorrer.
    Se o JRF conseguir disponibilizar por aqui qualquer coisa agradecerei quando a vir o que demorara.

  4. Lowlander

    “No Reino Unido, país chuvoso por excelência, fala-se de seca e já se pensa no Verão”

    Fala-se sim senhor e ate se fala na introducao compulsiva de contadores de agua nas residencias de zonas mais afectadas.
    Isto e preciso por a questao em perspectiva. Quando os britanicos falam em seca, trata-se de uma seca relativa. De facto tem sido um Inverno muito seco (e frio) para o pais que e e para a fauna e flora que o povoam.
    O que tambem nao e mentira e que o desperdicio de agua por estes lados e escandaloso. Por exemplo, a utilizacao de agua a nivel domestico e feita por taxa plana (la esta, nao existem contadores de agua) a introducao de contadores de agua com taxas que reflectissem o verdadeiro valor desse recurso seriam medidas bem mais eficazes que qualquer proibicao de magueiradas ou cotizacao de consumos por pessoa (hipotese tambem discutida)

  5. Lowlander

    “Os malefícios da produção animal intensiva”

    Nao chovo no molhado, ate porque nao tenho tempo. Mas varios erros grosseiros saltam a vista:

    A ligacao entre entre vCJD e consumo de carne de vaca nao esta provada. Cada vez menos alias, a medida que o tempo passa. As medidas em vigor na Europa sao ditadas pelo principio da precaucao.
    A ligacao entre producao intensiva e alimentacao nutrucionalmente desiquilibrada e simplesmente falsa.
    A sugestao de que a producao animal intensiva e menos segura microbiologicamente que qualquer outro tipo de producao animal e refutada categoricamente por todos os estudos epidemiologicos sobre toxinfeccoes alimentares, estudos sobre higiene de carnes e os indicadores de saude de populacoes existentes.

  6. jrf

    Isto e preciso por a questao em perspectiva.

    Exacto, era aí que eu queria chegar. À perspectiva. Uma seca no UK, não é o mesmo que uma seca em Portugal. No entanto, por cá não há preocupações.

    A ligacao entre entre vCJD e consumo de carne de vaca nao esta provada.

    Para mim é novidade.

    A sugestao de que a producao animal intensiva e menos segura microbiologicamente que qualquer outro tipo de producao animal e refutada categoricamente por todos os estudos epidemiologicos sobre toxinfeccoes alimentares, estudos sobre higiene de carnes e os indicadores de saude de populacoes existentes.

    Quem terá elaborado esses estudos? Terão sido encomendados pela indústria ou por políticos?

    Começo a achar que se der meia dúzia de passos atrás, terá uma melhor visão da floresta e não só dessa meia dúzia de árvores de onde tira todas as suas conclusões. Uma vez mais, toda a argumentação é decalcada de outras discussões do género (sim, incluindo a do aquecimento global). Acho isso mesmo muito interessante.

    elogio a introducao de caixa de comentarios nestes posts de divulgacao de links

    Estou a ver se resulta. Mas obrigado pelos elogios.

Deixe um comentário

Mantenha-se no tópico, seja simpático e escreva em português correcto. É permitido algum HTML básico. O seu e-mail não será publicado.

Subscreva este feed de comentários via RSS

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.